terça-feira, 30 de abril de 2013

Revisão sobre MMA

Journal of Sport and Human Performance v.1, n.1, 2013.


Stacy Howard Bishop, Paul La Bounty, Michael Devlin


Currently, Mixed Martial Arts (MMA) is one of the most popular and fastest growing sports in the world for participation as well as media consumption. Scholarly research concerning MMA is limited, but becoming an increasingly more popular area of examination. A broad search of peer-reviewed literature presents clearly defined themes of research interest; injuries and injury risk are the most popular, followed by MMA history, social perception of the sport, sports-specific training, and lastly fan motivations for consumption. Present research in this field is sparse, though the growth of MMA popularity provides evidence that future research is warranted. More specifically, the function of each of these research areas should clearly delineate the nature of this fledgling sport and diffuse social misconceptions.  Research suggests that MMA injuries risk is equal to or less than other martial arts and team sports.  Current sports-specific training research is preliminary and consists of no empirical training studies.  Lastly, the increasing television audiences suggest the social perception is becoming increasingly favorable. 

segunda-feira, 29 de abril de 2013


Recentemente fui contactado por uma pessoa de um portal para emitir opiniões sobre algumas práticas de L/AM/MEC. Fiz a seguinte proposta: escrevo um texto sobre o assunto, vcs leem, se gostarem publicam na íntegra, se não gostarem desconsideram. Meu motivo para tal: não ter a minha opinião distorcida e poder aprofundar as discussões (afinal, talvez tenha gente interessada em sair do "Vc sabia que..."). Resposta: nosso editor não considera essa opção.
Então ficamos assim, eu só alimentarei o sistema se for com a comida que eu quero dar...
Talvez seja inspiração da entrevista que estou assistindo do Suassuna nesse momento...

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Uso de esteróide anabólico e saúde mental

 2013 Apr 23. [Epub ahead of print]

A retrospective 30-year follow-up study of former Swedish-elite male athletes in power sports with a past anabolic androgenic steroids use: a focus on mental health.


Centre for Ethics, Law and Mental Health, University of Gothenburg and the Forensic Psychiatric Clinic, Sahlgrenska University Hospital, Gothenburg, Sweden.



The knowledge concerning the long-term effect of former anabolic androgenic steroids (AAS)-use on mental health is sparse.


This study aims to investigate whether previous AAS-use affects mental health, present sociodemographic data, sport activity and substance abuse in a retrospective 30-year follow-up study of former elite athletes.


Swedish male-elite power sport athletes (n=683) on the top 10 national ranking lists during any of the years 1960-1979 in wrestling, Olympic lifting, powerlifting and the throwing events in track and field answered a questionnaire.


At least 20% of the former athletes admitted previous AAS-use. They had more often sought professional expertise for mental problems and had used illicit drugs compared to those not having used AAS. The AAS-users also differed in former sport activity pattern compared to non AAS-users.


It is clear that a relationship exists between use of AAS and mental-health problems. Further studies need to be done in order to clarify this relationship.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Exposição em Orange sobre o Império Romano

Dois cartazes interessantes:
Marte, o Deus da Guerra, mas também da juventude e da primavera.

E a escola. Alguma similaridade?

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Propaganda bem feita de judogi para crianças


Suplementação de beta-alanina e bicarbonato de sódio em atletas de judô e jiu-jitsu

 2013 Apr 18. [Epub ahead of print]

Additive effects of beta-alanine and sodium bicarbonate on upper-body intermittent performance.


Laboratory of Applied Nutrition and Metabolism, School of Physical Education and Sport, University of Sao Paulo, Av. Prof. Mello de Moraes, 65 Butantã, Sao Paulo, SP, 05508-030, Brazil.


We examined the isolated and combined effects of beta-alanine (BA) and sodium bicarbonate (SB) on high-intensity intermittent upper-body performance in judo and jiu-jitsu competitors. 37 athletes were assigned to one of four groups: (1) placebo (PL)+PL; (2) BA+PL; (3) PL+SB or (4) BA+SB. BA or dextrose (placebo) (6.4 g day-1) was ingested for 4 weeks and 500 mg kg-1 BM of SB or calcium carbonate (placebo) was ingested for 7 days during the 4th week. Before and after 4 weeks of supplementation, the athletes completed four 30-s upper-body Wingate tests, separated by 3 min. Blood lactate was determined at rest, immediately after and 5 min after the 4th exercise bout, with perceived exertion reported immediately after the 4th bout. BA and SB alone increased the total work done in +7 and 8 %, respectively. The co-ingestion resulted in an additive effect (+14 %, p < 0.05 vs. BA and SB alone). BA alone significantly improved mean power in the 2nd and 3rd bouts and tended to improve the 4th bout. SB alone significantly improved mean power in the 4th bout and tended to improve in the 2nd and 3rd bouts. BA+SB enhanced mean power in all four bouts. PL+PL did not elicit any alteration on mean and peak power. Post-exercise blood lactate increased with all treatments except with PL+PL. Only BA+SB resulted in lower ratings of perceived exertion (p = 0.05). Chronic BA and SB supplementation alone equally enhanced high-intensity intermittent upper-body performance in well-trained athletes. Combined BA and SB promoted a clear additive ergogenic effect.

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Experiência de competição de lutadores de MMA

Volume 27, Issue 1, March 2013, Pages 1-12

In the cage: MMA fighters' experience of competition

a  Dept. of Kinesiology, Recreation, and Sport Studies, University of Tennessee, Knoxville, TN, United States
b  Center for Enhanced Performance, United States Military Academy, West Point, NY, United States
c  Dept. of Athletics, Bethune-Cookman University, Daytona Beach, FL, United States 


Mixed Martial Arts (MMA) is a relatively new and rapidly growing sport within contemporary athletics yet, to date, it has received relatively little attention in the sport psychology literature. To shed more light on the sport, the aim of the current study was to examine the experiences of MMA fighters during sanctioned competitions. Audio-recorded phenomenological interviews were conducted with seven participants and the transcripts were qualitatively analyzed to identify emerging themes. The findings revealed that the most important aspect of fighters' experience was the chaotic nature of MMA fights, which participants characterized as "cage reality." The results also suggested that fighters' arousal regulation skills are at least as important as their technical skills for performance success. Taken together, the present findings extend previous research on MMA and suggest several implications for sport psychology consultants interested in working with fighters.

Judocas da seleção francesa batem em uma outra e são impedidas de treinar no centro de treinamento de alto rendimento


domingo, 14 de abril de 2013

VFC em atletas de BJJ


Carlos F Henríquez, Eduardo Báez, Astrid Von Oetinger, Rodrigo Cañas, Rodrigo Ramírez
Biol Sport 2013; 30 (2):
ICID: 1044429
Article type: Original article
IC™ Value: 10.00
Abstract provided by Publisher
The objective of this study was to establish differences in vagal reactivation, through heart rate recovery and heart rate variability post exercise, in Brazilian jiu-jitsu wrestlers (BJJW). A total of 18 male athletes were evaluated, ten highly trained (HT) and eight moderately trained (MT), who performed a maximum incremental test. At the end of the exercise, the R-R intervals were recorded during the first minute of recovery. We calculated heart rate recovery (HRR60s), and performed linear and non-linear (standard deviation of instantaneous beat-to-beat R-R interval variability – SD1) analysis of heart rate variability (HRV), using the tachogram of the first minute of recovery divided into four segments of 15 s each (0-15 s, 15-30 s, 30-45 s, 45-60 s). Between HT and MT individuals, there were statistically significant differences in HRR60s (p <0.05) and in the non linear analysis of HRV from SD130-45s (p <0.05) and SD145-60s (p <0.05). The results of this research suggest that heart rate kinetics during the first minute after exercise are related to training level and can be used as an index for autonomic cardiovascular control in BJJW.

domingo, 7 de abril de 2013

Evento em Maringá


Terceiro texto no site da Associação Grand Masters & Kodanshas de Judo do Brasil

Correlações entre aptidão física e desempenho na luta de judô. 
Vimos que alguns aspectos antropométricos e de aptidão física são capazes de discriminar adequadamente atletas de judô de elite daqueles considerados como não elite, mas que tais variáveis não diferenciam atletas titulares dos seus reservas em uma equipe nacional. Agora partimos para outro ponto importante no que diz respeito às variáveis de aptidão física, antropometria e as ações desempenhadas pelos atletas durante a luta: a correlação entre essas variáveis. Embora a correlação (r) entre duas variáveis não demonstre causa e efeito, o coeficiente de determinação (R2) explica o quanto da variação em uma dada variável pode ser explicada pela variação em outra variável. Em se tratando de desempenho, a determinação da correlação pode ser um primeiro passo para que se encontrem potenciais contribuintes para o desempenho ou variáveis que ajudam a explicar o desempenho. Em trabalho com a Seleção Brasileira Universitária de 2000 (sete titulares e seis reservas; equipe vice-campeã mundial por equipes), analisamos a correlação entre diferentes variáveis antropométricas e de aptidão física com as ações realizadas durante a luta. Esse artigo foi publicado no periódico Archives of Budo em 2005. Dentre os resultados encontrados, podem ser ressaltadas as correlações positivas entre o desempenho intermitente de alta intensidade com membros superiores (dois testes de Wingate) com o número de ataques durante a luta (r = 0,76), bem como do número de projeções no Special Judo Fitness Test (SJFT) com o número de ataques durante o combate (r = 0,68), indicando que a capacidade de desempenhar ações intensas no exercício intermitente em situações controladas explica cerca de 46 a 58% dos ataques conduzidos durante o combate. Embora seja tentador pensar que o aumento dessas variáveis (i.e., aumento do desempenho intermitente de alta intensidade com membros superiores e no SJFT) poderia resultar em melhoria do número de ataques durante a luta, é importante lembrar que a correlação não implica em causa e efeito. Assim, o próximo passo, em termos de pesquisa, seria induzir o aumento nas primeiras variáveis e monitorar as alterações nas ações desempenhadas durante a luta. Contudo, ainda não existem investigações (ao menos em bases de indexação de artigos) analisando esse aspecto. Esse é o objetivo do nosso estudo em andamento neste momento (“Efeitos do treinamento intervalado de alta intensidade sobre as respostas fisiológicas e o desempenho de atletas de judô”), com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). O estudo sobre a Seleção Brasileira Universitária de Judô de 2000 pode ser encontrado copiando e colocando o link http://archbudo.com/fulltxt.php?ICID=440253 ou o link http://www.medscimonit.com/download/getFreePdfWithoutWatermark/idArt/440253 Para saber como participar do estudo em andamento, basta acessar o link https://docs.google.com/document/d/148mkJulXAJbgVMnsr5QY1RxGLi6HCdRoh4aVkGrSNn8/edit?usp=sharing Emerson Franchini 
Professor Associado Escola de Educação Física e Esporte, Universidade de São Paulo; 
Conduzindo pós-doutorado na Universidade de Montpellier, França 

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Pesquisa com atletas de judô na EEFE-USP


Efeitos do treinamento intervalado de alta intensidade sobre as respostas fisiológicas e o desempenho de atletas de judô

Pesquisador responsável: Prof. Dr. Emerson Franchini
Pesquisadoras gerentes: Ursula Ferreira Julio e Valéria Leme Gonçalves Panissa
Agência financiadora: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP

Duração do estudo: 6 semanas
Quem pode participar? Atletas das classes júnior ou sênior; participar de competições oficiais; graduados como faixas marrom ou preta; que treinem com frequência igual ou superior a quatro sessões por semana.
Quem não pode participar? Atletas da categoria pesado (acima de 100 kg); atletas do sexo feminino; atletas lesionados; atletas que estejam reduzindo a massa corporal (atletas “perdendo peso”) e atletas fazendo uso de medicamentos ou drogas.
Número de atletas necessários: 40 judocas distribuídos em quatro grupos, sendo que três grupos farão treinamento intervalado durante quatro semanas e um grupo manterá sua rotina normal de treino de judô.
Benefícios aos atletas: Benefícios do treinamento e resultados da avaliação antes e após o treinamento:
ü     composição corporal (dobras cutâneas, circunferência e diâmetros ósseos);
ü     capacidade e potência aeróbia (teste progressivo) e anaeróbia (teste de Wingate) para membros superiores;
ü     capacidade e potência aeróbia (teste progressivo) e anaeróbia (teste de Wingate) para membros inferiores;
ü     aptidão aeróbia e anaeróbia em teste específico ao judô (Special Judo Fitness Test);
ü     resistência muscular dinâmica dos membros superiores (teste de barra no judogi – tempo de sustentação e número de repetições);
ü     análise dos hormônios cortisol (catabólico, associado à perda de massa muscular) e testosterona (anabólico, associado ao ganho de massa muscular) em jejum e após alguns testes físicos (12 coletas de sangue venoso);
ü     análise de três marcadores de dano celular em jejum e após alguns testes físicos (12 coletas de sangue venoso).

Cronograma de atividades:
1ª e 6 ª semana – avaliação
Segunda-feira: coleta de sangue em jejum seguido de um intervalo de uma hora (possibilidade de oferecimento do café-da-manhã), composição corporal, um teste progressivo e um teste com uma sequência de quatro testes de Wingate.
Quarta-feira: um teste progressivo e um teste com uma sequência de quatro testes de Wingate.
Sexta-feira: testes de barra no judogi e Special Judo Fitness Test.
Domingo: sequência de quatro lutas com 40 minutos de intervalo entre elas.
Informações importantes: Avaliações de segunda à sexta na Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo; Avaliação de domingo no clube do atleta ou outro local de preferência.

2ª a 5 ª semana – treinamento intervalado
Antes do primeiro treino da semana: coleta da variabilidade da frequência cardíaca via monitor Polar – 5 minutos (para verificar estado de recuperação);
Último treino da semana: responder ao questionário de overtraining e stress (DALDA);
Características dos grupos a serem estudados e do tipo de treinamento adicional a ser conduzido: duas sessões de treino durante a semana: 2 blocos de 10 séries de 20 segundos de esforço com 10 segundos de intervalo, sendo o intervalo entre os blocos de 5 minutos. Cada sessão totalizará 23 minutos sendo 5 minutos de aquecimento e 3 minutos de pausa antes do treinamento intervalado. Um grupo fará esse esforço em uma bicicleta para membros superiores, um grupo fará o esforço em uma bicicleta para membros inferiores, um grupo fará esse esforço utilizando uchi-komi e um grupo conduzirá apenas seu treinamento usual de judô.

Informações importantes: para as academias ou clubes do estado de São Paulo com mais de 8 voluntários (dois atletas em cada grupo), podemos viabilizar o empréstimo do ergômetro para condução do treinamento intervalado. Grupos de quatro atletas também são bem vindos.

Contatos: ursulajulio@usp.br


O objetivo do presente estudo é verificar os efeitos do treinamento intermitente de alta intensidade específico e não específico sobre respostas fisiológicas e de desempenho em testes aeróbios e anaeróbios, assim como sobre ações técnicas e táticas durante a luta de judô. Para isso, 40 atletas de judô serão submetidos à bateria de testes antes e após quatro semanas de treinamento. Três grupos serão submetidos ao treinamento intervalado, complementarmente ao treinamento usual de judô: (1) duas sessões semanais de exercício intermitente de alta intensidade para membros inferiores, constituídas por dois blocos de 10 estímulos de 20s por 10s de intervalo entre os estímulos e 5 min entre os blocos; (2) duas sessões semanais de exercício intermitente de alta intensidade para membros superiores, constituídas por dois blocos de 10 estímulos de 20s por 10s de intervalo entre os estímulos e 5 min entre os blocos; (3) duas sessões semanais de exercício intermitente de alta intensidade específico (uchikomi, entrada de golpe), constituídas por dois blocos de 10 estímulos de 20s de entrada de técnicas em velocidade por 10s de intervalo entre os estímulos e 5 min entre os blocos. Um grupo irá desempenhar apenas o treinamento usual de judô.